Dos pés à cabeça

Dica de Livro: “A cabeça bem-feita – repensar a reforma, reformar o pensamento”

Reformar o pensamento para reformar o ensino e reformar o pensamento é o que preconiza o autor, Edgar Morin.

Na linha da reforma do pensamento, ele propõe os princípios que permitiram seguir a indicação de Pascal: “Considero impossível conhecer as partes sem conhecer o todo, tanto quanto conhecer o todo sem conhecer, particularmente as partes…”

Esses princípios levam o pensamento para além de um conhecimento fragmentado que, por tornar invisíveis as interações entre um todo e suas partes, anula o complexo e oculta os problemas essenciais; levam, igualmente, para além de um conhecimento que, por ver apenas globalidades, perde o contato com o particular, o singular, o concreto.

Eles permite, remediar a funesta desunião entre o pensamento científico – que desassocia os conhecimentos e não reflete sobre o destino humano – e o pensamento humanista – que ignora as conquistas das ciências, enquanto alimenta suas interrogações sobre o mundo e sobre a vida.

Daí a necessidade de uma reforma de pensamento referente a nossa aptidão para organizar o conhecimento, que permita a ligação entre as duas culturas divorciadas. A partir daí, ressurgiriam as grandes finalidades do ensino, que deveriam ser inseparáveis: promover uma cabeça bem-feita, em lugar de bem cheia; ensinar a condição humana, começar a viver, ensinar a enfrentar a incerteza, aprender a se tornar cidadão.

Deixe seu comentário!